canal

multimídia

entrevistas

e matérias

poder e

política

10 de agosto de 2011 - 17:28:42

A Torre de Babel

por Alessandra Darub*

A Bíblia sagrada, no livro de Gênesis, traz a narrativa sobre a Torre de Babel. Diz que a referida torre estava sendo construída para que o povo tivesse como chegar a Deus, o que representava uma afronta. Deus então fez a torre desmoronar e castigou a todos fazendo com que falassem línguas diferentes para que os homens não se entendessem e não mais continuassem o projeto de construção.

Mais uma vez, servindo-me de comparativos, digo que a Torre de Babel estava novamente sendo construída para chegar aos cidadãos e agora os próprios homens escolheram falar línguas diferentes.

O Judiciário Maranhense é a Torre de Babel.

Todos aqueles que o compõem contribuem para a construção, ou melhor, reconstrução do Judiciário. Podem fazer com que o fim último, que é “FAZER JUSTIÇA” seja alcançado. Todavia, o que vejo, é a Torre ruir, os engenheiros, técnicos, mestres de obras e auxiliares da Justiça, que são os magistrados, advogados, promotores, defensores e servidores não se entendem, culpam-se mutuamente, pelos vícios antigos, pelos erros de alguns, pela inércia de outros. Pararam de falar a mesma língua e buscar soluções. Concentram-se no pior,  esquecendo, ou não querendo lembrar, o que foi feito de melhor, bem como a transformação constante.

Pergunto-me por quê? Porque paramos de andar juntos em busca do mesmo objetivo? Será que se trata apenas de vaidade? Do complexo de Robin Hood? Mostrar para a sociedadeque uma ou outra categoria que forma o Judiciário foi quem realmente resolveu o problema?

Creio que há grandes equívocos nisso tudo. Nunca haverá solução que satisfaça integralmente a todos, sempre um grupo questionará ou lutará por mais. Acreditar na existência de PALADINOS DA JUSTIÇA é utopia, mas acreditar na possibilidade de melhora substancial é realidade.

Não é nos atacando mutuamente que melhoraremos o Judiciário, não é fazendo campanhas destrutivas por meio de marketings virais que contribuiremos, na verdade isso só atrapalha, desestimula qualquer equipe, pela falta de reconhecimento do trabalho executado.

A Associação dos Magistrados, OAB, Ministério Público, Defensoria, Sindicato dos Servidores, Corregedoria Geral da Justiça, Tribunal de Justiça, têm que rever suas premissas, estabelecer seus objetivos em comum e traçar suas metas em busca deste objetivo. Ao invés de estarem se digladiando em blogs, jornais, rádio e televisão apontando os erros dos outros, deveriam preocupar-se em mostrar seus acertos, suas contribuições, o que fizeram de melhor para a sociedade, para os jurisdicionados.

Exemplos disso são as contínuas vistorias às comarcas do interior e a tentativa de denegrir, de conspurcar a gestão do Presidente do Tribunal de Justiça do Maranhão, Des. Jamil de Miranda Gedeon Neto, em razão das condições em que se encontram os prédios onde funcionam os fóruns. Muitos nunca foram reformados.

Todos os esforços foram concentrados. O Judiciário possui 152 unidades prediais em todo o estado. Mais de 60 (Montes Altos, Cururupu, Imperatriz, Balsas, etc), além do prédio sede, já foram reformados. Outros 15 fóruns estão sendo construídos (João Lisboa, Santa Inês, Loreto, Alto Parnaíba, entre outros). As reformas continuam incessantemente. A equipe de engenharia nunca foi tão exigida. Pode-se afirmar que toda semana existe uma equipe no interior vistoriando obra. Já foram realizadas 165 licitações, dentre pregões e concorrências e mais 6 já estão marcadas. Trata-se de uma avalanche de trabalho, que em nenhum momento cogitou-se parar.

Os servidores trabalham inclusive nos finais de semana para acompanhar e entregar as obras. Levam relatórios para concluir em casa. Digo isso com propriedade porque acompanho seus trabalhos. Todavia, nada disso tem valor, as máquinas humanas não serão valorizadas se não reformarem todo o Estado ao mesmo tempo, se não tiverem orçamento suficiente para tudo. Aliás, pelo que vejo ninguém se preocupa com orçamento, parece que isso não importa.

O Sindicato faz greve. Há aumento de auxílio-alimentação, concurso em andamento, Gratificação de Atividade Judiciária, capacitação maciça de servidores, mas isso é irrelevante, a greve pela greve é melhor, porque vai ao encontro de anseios eleitoreiros.

A sociedade, maior beneficiária de todos os projetos do Judiciário, e para quem todos devemos nos curvar – já que estamos investidos em nossas funções para pacificá-la e resolver os conflitos de interesses surgidos-, assiste atônita ao duelo de vaidades.

E assim, a Torre desmorona!

*Alessandra Darub Alves é analista judiciário, diretora geral do Tribunal de Justiça do Maranhão.

  • Add to favorites
  • Email
  • RSS
# , , ,

105 respostas para “A Torre de Babel”

  1. Pela moralidade disse:

    Pois é essa administraçao tem trabalhado muito, muitas reformas, construçao de foruns, mudanças no interior e na capital, esse é o lado bom, agora o lado menos bom, ou ruim, licitaçao é um negocio serio, ou pelo menos deveria ser, mas nao é para a atual administraçao, como se pode ver com a contrataçao de certas empresas que tem cometido erros atras de erros, e ainda continuam ganhando as tais licitaçoes, para citar ja temos a tragédia acontecida no começo do ano na qual um servidor de uma destas empresas acabou morrendo ao mexer numa fiaçao sem a proteçao necessaria, e nao para por ai, a ultima foi o desabamento do teto de uma cordenaçao do tj, que quase acertou a cabeça de um servidor, note-se que tanto a sala de baixo quanto a de cima passaram por reformas na ultima administraçao, o que podemos dizer disso, a casa pode nao ter caido ainda… Mas ja esta caindo, da-lhe Peniel.

  2. Andrea disse:

    Alessandra Darub,

    1ºNão entendi, se R$12.000,00 de salário não esta dando para suas despesas,imagina os colegas que ganham R$ 2.000,00 de salario sera se da?

    2º Muitos servidores ganhando bem menos do que você sentem orgulho da instituição,e você com esse salário sendo Diretora quer fazer concurso?

    3º A greve é um direito do Servidor que luta por aquilo em que acredita,e acreditamos no TJ como uma instituição que vale a pena se brigar por melhores condições do que os que ficam insatisfeito fazendo do TJ apenas um trampolim para algo melhor.

  3. ALAN CARLOS disse:

    Alessandra, tive a oportunidade de ver-te pessoalmente uma vez e notei sua sinceradade ao falar. Não gostei do artigo e sim da réplica. Nesta você teve mais franqueza e fervor ao redigir. Por isso, na próxima vez que confeccionar um artigo, lembre-se de que não é só você que tem 8 pessoas para sustentar com 12 mil reais; muitos colaboradores do TJ/MA tem mais ou menos pessoas a sustentar que você e, CERTAMENTE, a maioria deles com um salário muito menor. Reconheço o seu empenho no trabalho e compreendo que trabalha feito uma condenada, afinal, você aceitou ser diretora. Muitos de nós também trabalha assim, porém, não aceitam o não reconhecimento disso, além de não ser dado o que é devido (pauta da grave). Sei que a população sofre com a greve, mas nós colaboradores temos um mínimo de culpa; sem esquecer que a nossa família, assim como nós colaboradores fazemos parte dessa população maranhense tão sofrida. Por tudo isso, o TJ/MA vai perder você e muitos colaboradores BEM QUALIFICADOS. Entretanto, enquanto esse dia não chega GREVE neles porque SÓ A LUTA MUDA A VIDA!

  4. Servidor consciente. disse:

    Viram, as condições no TJMA são tão ruins que a própria Diretora Geral só fala em sair!! Pode uma coisa dessas??

  5. servidor tj disse:

    Oooohhhh, quer saber, vamos parar de dar moral pra essa [...], grandes coisas, quer babar e se promover
    e ainda acha que escreve como um Camões

  6. gilvan disse:

    Tyara Oliveira,

    É OS SABUJOS DOS SABUJOS.

  7. FERNANDO REIS disse:

    Alessandra, infelizmente no momento estamos em lados opostos, mas depois que li sua réplica e a da Tyara no blogue do Itevaldo, resolvi refletir melhor, temos vários amigos em comum, apenas no momento divergimos de opinião e postura política, de minha parte nada de pessoal tenho contra ti, pelo contrário torço pelo sucesso de todos os meus colegas de trabalho e amigos.

  8. joão disse:

    Já vi que o puxa-saquismo no TJ está institucionalizado!

  9. Ziza disse:

    Vc não acha que já sabujou demais não? tá ficando nojento!

  10. Tyara Oliveira disse:

    Caros colegas,

    É lamentável como os diversos comentários postatos, expõem inverdades e tentam denegrir a imagem da Dra. Alessandra.

    A Diretoria Geral do TJ, bem como diversos setores deste Tribunal mudou consideravelmente nessa gestão, fato notório. Pena que muitos aqui não reconhecem, mas tenho absoluta certeza que cada um profundamente admite que as mudanças aconteceram.

    Isso só foi possível, devido à seriedade e o compromisso, no qual todos se engajaram com um único objetivo: melhorar o Judiciário Maranhense.

    Deixar de reconhecer a sua competência, profissionalismo, moralidade, humildade e honestidade, chega a ser injusto, alias, muitos aqui acho que nem conhecem a pessoa maravilhosa que é.

    Cabe, lembrá-los, que Dra. Alessandra, Analista Judiciária, foi à primeira servidora do quadro do TJ, a exercer o cargo de Diretora Geral, fato que muitos aqui elogiaram, pena que o momento é restrito a tentar denegrir sua imagem, e explanar os desejos por melhores condições salariais.

    Vale, lembrá-los também, que a referida servidora foi a primeira do quadro, a exercer os cargos de Chefia da Assessoria Jurídica e Chefia de Gabinete da Presidência. Todos cargos citados, ela exerce/ou exerceu por mera competência e profissionalismo!!!

    Quanto aos comentários realizados sobre o setor de Engenharia, Dra. Alessandra atualmente realiza o acompanhamento das obras/reformas, prazos de execução, assim como também acompanha as atividades desenvolvidas por outras Diretorias… Afinal, competência e profissionalismo é sua marca, então, nada melhor do que interagir e tomar conhecimento de tudo que acontece nos diversos setores do TJ. Pena, que as suas insistentes cobranças incomodam muita gente…

    Aproveito a oportunidade, para parabenizar o Analista Judiciário – Fernando Reis, servidor que tive oportunidade de conhecer e conviver. Ele como poucos aqui tem cara e coragem de falar o que realmente pensa, sem se esconder por trás de pseudônimos. Vc, como muitos aqui tem consciência de que avançamos muito, mas ainda temos diversos obstáculos e dificuldades a serem vencidos.

    Tyara Oliveira

  11. joão disse:

    O pior é dizer que isso é uma greve política. Desde quando greve dá voto pra alguém? se fosse verdade Aníbal já teria sido eleito! o melhor a fazer é ficar bem caladinha, já que você recebeu sua grana dos 11,98% e deixe que nós lutemos para receber também, por que diferentemente de vc nós não somos apadrinhados!

  12. ALESSANDRA DARUB disse:

    SENHORES, PARA EVITAR QUE PERMANEÇAM EQUIVOCADOS QUANTO A ALGUNS DETALHES SOBRE A MINHA VIDA, RESOLVI ESCLARECÊ-LOS:
    1- INICIALMENTE INFORMO QUE TENHO 14 ANOS DE TRIBUNAL DE JUSTIÇA;
    2- PASSEI NO CONCURSO PARA ANALISTA JUDICIÁRIO E NÃO PARA TÉCNICO COMO ALGUÉM MENCIONOU;
    3- SOU A SOBRINHA PREDILETA DA DESEMBARGADORA MADALENA SEREJO SIM, E ORGULHO-ME DISSO;
    4- NÃO SOU BENEFICIÁRIA DO 11,98%, AINDA, MAS JÁ ENTREI COM A AÇÃO JUDICIAL NECESSÁRIA PARA TANTO;
    5- Não recebo R$15.000,00, tendo em vista que pela simbologia do cargo de Diretor-Geral – CNES – o vencimento é de R$ 12.372,68;
    6- Esclareço ainda, que esse salário não satisfaz às minhas necessidades, tendo em vista que sustento 08 pessoas,e em razão disso posso afirmar, que ganho menos do que muitos vocês;
    7- Alguém afirmou que não gosto de arquitetos, o que é uma afirmação absolutamente leviana, tenho muitos amigos arquitetos, pelos quais tenho enorme respeito e consideração, mas a verdade é, não gosto de quem não trabalha, de quem possui atividades paralelas e não se dedica ao trabalho, isto sim detesto!;
    8- Não estou fazendo loby para conseguir cargos no TJ, meu desejo sempre foi passar em outro concurso e sair de lá, assim que eu entregar o cargo de diretora-geral, retomo os estudos;
    9- Consideram minha postura tendenciosa, claro que é! Estou defendendo o meu pensamento, sempre será tendencioso, assim como vocês são tendenciosos em defenderem o de vocês, a diferença é, eu tenho coragem de assinar o que escrevo, salvo raras exceções, como é o caso de Fernando Reis, a quem admiro por isso, todos usam nomes falsos;
    10- Lamento muito, que considerem puxa-saquismo o fato de eu mostrar o que a gestão tem feito, farei isso até o final dela, não só pelo Desembargador Jamil, mas também por mim, que trabalho feito uma condenada, saio de lá com a cabeça estourando todos os dias, e mesmo nos finais de semana resolvo problemas do TJ. Não aceito que tanto trabalho seja jogado na lama;
    11- Não permanecerei no cargo de diretora na próxima gestão, mas se permanecesse lutaria também pela próxima gestão, assim como vocês lutam, eu também o faço, mas cada um usa as armas que tem. Vocês fazem greve! Eu escrevo!;
    12- Nenhum comentário maldoso irá me inibir, falo o que penso e vou falar sempre;
    13- Alguém mencionou o título de DGE – esclareço: alguns colegas da engenharia, que sabem que eu acompanho as obras do TJ, fizeram tal brincadeira, eu a considero carinhosa e gostei muito, sem desmerecer o diretor de engenharia, que acompanha, tecnicamente, as obras, eu acompanho o prazo de execução das que posso, inclusive gosto muito, gosto de ver a transformação dos espaços pela mão humana;
    14 – Esse não é o primeiro artigo que escrevo, mas é o que teve mais ibope, fico feliz que tenha alcançado tantos leitores. Leiam também: ‘’A ESCOLHA DE SOFIA”, PODE RENDER BONS COMENTÁRIOS.

  13. Manoel disse:

    Conforme me foi dado observar, a expressão lambe-bota, usada no Brasil (e Aurélio
    registra) também é usada na França (leche-botte), nos Estados Unidos (boot licker), em Portugal (segundo Guilherme Augusto Simões, no seu DICIONÁRIO DE EXPRESSÕES POPULARES PORTUGUESAS. Lisboa: Perspectivas & Realidade. 1984).
    No Brasil, ficou muito conhecida aquela estória do puxa-saco a quem o então presidente
    Getúlio Vargas perguntou as horas, certa feita, no aeroporto. O puxa-saco olhou o relógio e, sem pestanejar, informou assim: – “São as horas que Vossa Excelência desejar, Senhor Presidente!” E o presidente Vargas, sempre bonachão, sempre com um sorriso nos lábios. retrucou: – “Pode botar seu relógio fora, menino! Ele é de muito má qualidade… ”
    Tem. também, a estória daquele funcionário público que era tão puxa-saco, tão puxa-saco
    que, um dia, chegou na repartição. entrou no gabinete do chefe e, ofegante, explodiu:

    - “Sabe, meu chefe, estou muito contente, muito feliz, mesmo. É que a mulher deu à luz
    ontem. Só queria que o senhor visse: é a sua cara. chefe!”

    Raimundo Magalhães Jr., no seu Dicionário de Provérbios, Locuções, Curiosidades
    Verbais, Frases Feitas, Etmologias Pitorescas e Citações (Rio de Janeiro: Editora Tecnoprint, s/d., p. 283), nos aponta uma possível origem da expressão puxa-saco: “A expressão parece ter nascido da gíria militar, na época em que os oficiais, em viagem, conduziam sacos de roupas, que os ordenanças carregavam com a maior humildade” .
    Da gíria militar para a linguagem popular brasileira foi um salto.

    Fonte: MAIOR, Mário Solto. O Puxa-saco: aqui, ali e acolá. Recife: CEPE, 1993.146p

  14. Manoel disse:

    Outros sinônimos de bajulador foram surgindo, no decorrer dos anos, procedentes das
    mais lingüisticamente diferentes regiões brasileiras, sinônimos que continuam na boca do povo, divulgados pela televisão, pelo rádio, pelas revistas e jornais, principalmente pelos migrantes nordestinos que, acossados pelas estiagens prolongadas, se espalharam pelo país, permutando não somente seus costumes, sua música, seus hábitos alimentares, suas crendices e até mesmo sua linguagem. Em decorrência dessa migração, temos, como sinônimos de bajulador: baba-ovo, enxuga-gelo, xeleleu (Rio Grande do Norte), lambaio, babão, cafofa, incensador, lambeta, lambeteiro, louvaminheiro, sabujo, xereta, cheira-cheira, lambe-botas, chupa-caldo, capacho, lambe-cu, cheira-cu, engomador (Raimundo Nonato. CALEPINO POTIGUAR. Mossoró/RN, 1980), corrente no Rio Grande do Norte. Mas não são somente estes os sinônimos de bajulador usados no Brasil. Outros também existem à disposição de uma pesquisa de maior âmbito, de maior profundidade.
    Os bajuladores, que comemoram o Dia do Puxa-saco cada 13 de setembro, andam por aí,
    à solta, em toda parte. Talvez o de uso mais atual e mais generalizado seja mesmo puxa-saco, principalmente depois de haver sido usado na marchinha de carnaval O CORDÃO DOS PUXASACOS, da autoria de Eratóstenes Frazão e Roberto Martins, gravada em selo Odeon nº 80.0342, lado B, pelo conjunto vocal Anjos do Inferno na década de 60 e que ainda hoje anima os carnavais brasileiros:

    - “Iaiá me deixa subir essa ladeira
    Eu sou do bloco. mas não pego na
    chaleira! (Bis)

    Lá vem o cordão dos puxa-sacos
    Dando viva aos seus maiorais
    Quem tá na frente é passado para trás
    E o cordão dos puxa-sacos cada vez aumenta
    mais.

    Vossa Excelência, Vossa Eminência
    Quanta reverência nos cordões eleitorais
    Mas se o doutor cair do galho e for ao chão
    A turma toda evolui de opinião.
    E o cordão dos puxa-sacos cada vez aumenta
    mais!”

    O verbo bajular consta do dicionário de todas as línguas faladas no mundo. Na Arábia. o
    bajulador é mamafeq, segundo me informou a pesquisadora Sorava Giovanetti EI-Deir. Na
    Franca, a professora Danielle Perrin Rocha Pita, da Universidade Federal de Pernambuco, me disse que o puxa-saco lá é o leche-botte. No Japão, o professor Yoshihiro Arai, do Institute of Technology, de Yokohama, adiantou que o verbo bajular, na sua língua, é heturau e abbecca é bajulacão. Na Inglaterra, o verbo bajular, como também acontece em todo o mundo de fala inglesa, é to flatter. Na sua gíria, os sobrinhos do tio Sam usam a expressão soft-soap e browndose para denominar o baba-ovo. Em Cuba, no México, na Argentina e na quase totalidade do mundo espanhol, o chaleira é o chupa-media, de acordo com o que observou Anatailde Crespo em suas andanças. Na Itália, Rejane Pinto registrou o termo piaggiatori com o mesmo significado. A jovem-guarda alemã, segundo me contou a menina-moça Marietta Allgayer-Kaufmann, de Königin, usa o termo schleimer para designar os puxa-sacos germânicos.

  15. Manoel disse:

    Bajular, [do latim bajulare, baiolare, "carregar às costas"], significando lisonjear, adular servilmente, sorrabar, sabujar, é um verbo comum a todos os idiomas.
    Na língua portuguesa. falada no Brasil. Machado de Assis em A SEMANA, II (Rio de Janeiro: W. M. Jackson Inc. Editores, 1953, p. 53) usou o verbo bajular: “Não haveria partido que
    me atacasse, que me espiasse, que me caluniasse, nem partido que me bajulasse, que me beijasse os pés”. Marques Rebelo, por sua vez. em A MUDANÇA (São Paulo: Livraria Martins Editora,1962, p. 69), já usou o substantivo masculino bajulismo: “Seu Amilcar, bedel, gordo e vermelho,
    ficou célebre pelo bajulismo ao diretor”. Aurélio Buarque de Holanda Ferreira, no seu conhecido NOVO DICIONÁRIO DA LÍNGUA PORTUGUESA, em sua 2a. ed. e 13a. impressão (Rio de
    Janeiro: Editora Nova Fronteira. 1986), além do verbo bajular também registra, sorrabar, sabujar, com a mesma significação, bem como vários adjetivos e substantivos gerados por esses verbos.
    A mecânica da língua portuguesa falada no Brasil, onde se enriqueceu, fez com que o verbo bajular gerasse o adjetivo bajulador que, graças à inventiva e à criatividade próprias do nosso povo, fosse responsável por vários sinônimos não somente interessantes como até mesmo pitorescos, que tornaram a nossa língua e, conseqüentemente, os nossos dicionários mais completos ainda.
    Temos, assim, vários sinônimos de bajulador, entre os quais corta-jaca, que acredito ser um dos mais antigos, originário de Pernambuco e Alagoas, conforme o registro de Aurélio Buarque de Holanda, no seu dicionário. O sinônimo corta-jaca serviu de motivo ao tanga CORTAJACA/
    O GAÚCHO, ou vice-versa, que Chiquinha Gonzaga compôs em 1897 para a revista musical ZIZINHA MAXIXE, tanga que foi gravado pela primeira vez, ao que consta, em 1910, pelo selo Colúmbia, em 78RPM, nº 11.721, tendo subseqüentes prensagens.
    Depois de corta-jaca, apareceu o termo chaleira, que ainda hoje continua sendo bastante usado, principalmente no Nordeste. A origem desse sinônimo tem a seguinte explicação: Pinheiro Machado, conhecido político gaúcho, mesmo morando no Rio de Janeiro por força de suas
    atividades partidárias, nunca desprezava o uso diário do chimarrão. E toda vez que dava vontade de matar a saudade de seus pagos, costumava dizer: – “Agora está na hora do chimarrão!” E os seus seguidores políticos saíam correndo, cada qual querendo ser o primeiro a trazer a chaleira de
    água quente para o preparo da infusão. Antenor Nascente (O LlNGUAJAR CARIOCA. Rio de Janeiro: Organização Simões Editora, 1953), além de outros lexicógrafos, também registra o termo largamente usado no Brasil até hoje. Mauro Mota (O PÁTIO VERMELHO. Rio de Janeiro: Edições Orfeu, 1968, p, 59), usou o verbo chaleirar: “Entende só de burocracia, de chaleirar todo governador que chega”.

  16. Carlos disse:

    BAJULADORES são pessoas que não acreditam em si mesmas, por isso necessitam sempre “pegar carona” no brilho dos outros. BAJULADORES precisam desesperadamente se sentirem aceitos e valorizados porque, no fundo, ELES PRÓPRIOS NUNCA SE VALORIZARAM.
    Bajuladores são ervas daninhas abundantes em qualquer quintal…

  17. Thiago Silva Sampaio disse:

    kkkkkkk…..

    Engraçado, o TJMA entende que somente o Executivo pode conceder a revisão geral, ou qualquer outra medida dessa natureza, mas o próprio TJMA iniciou um projeto de lei (que foi aprovado) para reduzir os percentuais de insalubridade.

    Em resumo: para beneficiar os servidores, só o Executivo pode fazer uma lei, mas para prejudicar os servidores o próprio TJMA pode elaborar um projeto de lei.

    Maravilha!!!

  18. Adriana/MP disse:

    Incrível!!!! Vive-se numa democracia onde a “LIBERDADE DE EXPRESSÃO” é esquecida, desrespeitada, ultrajada sequer pelo conteúdo da manifestação, ora alguma contraposto amiúde, mas em decorrência da MERA CIRCUNSTÂNCIA DA FULANA exercer, mesmo que transitoriamente, um CARGO COMISSIONADO, no caso a Diretoria Geral do Tribunal de Justiça do MA. Sequer conheço dita servidora, mas, o que ela disse me serviu de carapuça. Firulas, picuinhas são vendidas sob o manto da gravidade. Enquanto isso magistrados são ameaçados de morte, promotores de igual modo; com a polícia isso não é tão evidente porque IMPERA LEI NATURAL: triste daquele que matar um policial pois todos sabemos que os culpados serão sumariamente executados… O Ministério Público do Maranhão pode ser dividido em dois momentos: antes e depois que o Dr. Jamil Gedeon ocupou o cargo de PGJ, modernizando, oxigenando, recriando o MP. Ser BOM ADMINISTRADOR não é reconhecido, pois fácil e cômodo é apenas criticar. Quem vive elogiando o síndico de seu condomínio?! Ninguém enquanto regra. A administração do Dr. Jamil Gedeon, seja no âmbito do MP, da Corregedoria do TJ e, finalmente, na Presidência do egrégio colegiado deveriam, em verdade, servir de exemplo para todos quanto, sem CAPACITAÇÃO TÉCNICA ESPECÍFICA, revelam-se grandes administradores. Mas não, preferível, covarde e fácil lançar pedras em quem disse apenas uma verdade, se bíblica ou não, pouco importa, verdade é que a TORRE CAIU, levando junto invejosos, pessoas sem compromisso, distantes da vontade de somar esforços, sequer diminuir…, mas apenas dividir. E a pergunta fica: dividir o que?! Aquilo que a história de vida do Dr. Jamil Gedeon não admite ao menos ouvir, sob o risco de sentir o rigor de seu caráter de HOMEM PÚBLICO nos rigores da lei. Espero que o senhor realmente publique…

  19. Aloisio Marques disse:

    Tenho certeza que a Alessandra, no fundo, não concorda com seu próprio artigo.
    Assim como tenho certeza que sabia da repercussão negativa que ele teria.
    Mesmo assim, decidiu pagar o preço por estar onde está.

  20. Denise disse:

    Milina, Milina, abre o olho… esperem o próximo concurso para juiz do TJ e leiam o nome da diretora na lista dos aprovados e entenderão a razão para tanta bajulação.

  21. SAMIR disse:

    Observem o tamanho do Aníbal ? Tá enorme de gordo só de não trabalhar e viver às custas das verbas recebidas pelo SINDJUS. Perguntem a qualquer um dos membros do SINDJUS se preferem trabalhar no TJ ou “presidir” o sindicato ?
    Certamente optarão pelo sindicato, pois não precisam trabalhar e ganham muito mais.
    Falaram tanyo do salário da Dra. Alessandra mas ninguem comentou nada dos valores que o Anibal “recebe” a titulo de salario-sindicato.
    Acordem grevistas, vcs não passam de um instrumento para o Anibal engordar ainda mais, tanto a conta bancária quanto a conta buchária.

    • Artur Stevan disse:

      Se vc não sabe não há salario sindical, procure se informar melhor e se vc acha que trabalhar no sindicato é ,oleza experimente passar um, mês como diretor dele ai venha reclamar de alguma coisa.

  22. Alberto disse:

    CAMBALACHE
    Música de Raul Seixas

    Hoje em dia dá no mesmo ser direito que traidor
    Ignorante, sábio, besta, pretensioso, afanador
    Tudo é igual, nada é melhor
    É o mesmo um burro que um bom professor
    Sem diferir, é sim senhor
    Tanto no norte ou como no sul
    Se um vive na impostura e outro afana em sua Ambição
    Dá no mesmo que seja padre, carvoeiro, rei de paus
    Cara dura ou DIRETOR

    Não penses mais, senta-te ao lado
    Que a ninguém mais importa se nasceste honrado
    Se é o mesmo que trabalha noite e dia como um boi
    Se é o que vive na fartura, se é o que mata, se é o
    Que cura
    Ou mesmo fora-da-lei

  23. JA disse:

    Isso é só um aperitivo de puxa-saquismo para seduzir o próximo presidente. Tipo “-Olha me mantenha no cargo que eu sei puxar saco”.

  24. Servidora TJMA interior disse:

    Muito engraçado, todos os servidores que engrandecem a “nobre” atitude da nossa queridissima colega nunca se identificam… Por que será?

  25. Sérgio Cavalcante disse:

    A seguir, a íntegra da resolução que estendeu, por via administrativa, a URV (11,98%) para os magistrados do TJMA:

    Resolução nº 05/2002

    A PRESIDENTA DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO MARANHÃO, DESEMBARGADORA ETELVINA LUIZA RIBEIRO GONÇALVES, NO USO DE SUAS ATRIBUIÇÕES LEGAIS,

    Considerando as inúmeras decisões existentes tanto na esfera judicial quanto na administrativa,

    que reconhece o direito dos Membros da Magistratura Nacional de terem seus salários adequados com base em cálculos efetuados a partir de sua transformação em URV, havida no mês de março de 1994,

    o que implica o acréscimo de 11.98% (onze inteiros e noventa e oito centésimos por cento);

    Considerando que, em razão do preceituado no art. 129, § 2º da Constituição Federal, a adequação dos vencimentos

    não caracteriza aumento salarial e pode ser efetivada através da via administrativa;

    e Considerando que fora assegurado o crédito suplementar necessário para fazer face ao aumento das despesas relativas à referida adequação. R e s o l v e, “ad referendum”

    Art. 1º – Acrescer o percentual de 11.98% (onze inteiros e noventa e oito centésimos por cento) ao vencimento dos magistrados, a partir do corrente mês.

    Art. 2º Esta Resolução entra em vigor a partir de sua publicação.

    Palácio da Justiça “CLÓVIS BEVILÁCQUA” do Estado do Maranhão, em São Luís, 05 de abril de 2002.

    Des.ª ETELVINA LUIZA RIBEIRO GONÇALVES PRESIDENTE

    Será que os servidores, que são responsáveis pelo movimento da máquina judiciária maranhense, não merecem o mesmo tratamento dispensados aos Meritíssimos???? E que em muitos outros Tribunais, estaduais e federais, já reconheceram tal direito.

  26. Profissional do Serviço Público disse:

    “O feitiço sempre vira contra o feiticeiro”.
    Atirou em quem viu e acertou quem não viu. (Inclusive nela mesma.)

  27. SERVIDORA disse:

    ESSA MOÇA É SOBRINHA(PREDILETA) DA MADALENA SEREJO…

  28. fatima disse:

    que vergonha quanta babação: até para isso é necessário ser fina e vc, minha cara, junto com a turma do esquema dos 11,98% deveriam meter a cara no saco e recolhererem-se da falta de vergonha.

  29. QUER SABER O QUE ACONTECE NO PAÇO? ACESSE: paconoticias.blogspot.com

  30. FERNANDO REIS disse:

    TODO ESSE CONSTRANGIMENTO, SÓ PRA GANHAR UNS TAPINHAS NAS COSTAS. GANHAVA MAIS, SE TIVESSE USADO O BOM SENSO E A DISCRIÇÃO QUE O CARGO EXIGE, OPTOU EM USAR UMA VISÃO TENDENCIOSA QUE SUGERE EMULAÇÃO, LAMENTÁVEL.

  31. ANALISTA disse:

    Dra. Alessandra, com todo respeito, mas a senhora merece é muito oleo de peroba. Se subordinar a esse tipo de coisa é vergonhoso. é triste ver que as pessoas vendem seus principios e valores por tão pouco, um cargo comissionado, por exemplo.

  32. Juliana Alves disse:

    Esta moça até hoje só conseguiu ler o primeiro livro da bíblia? Por que tem tantos textos melhor que esse para fazer comparações. Mas pela [...] desta moça, nunca deve ter passado do livro GÊNESIS.

  33. Joana Pinto disse:

    Coisa de gente sabujo.

  34. Lucas Araújo disse:

    Será que não daria para ela ser menos puxa-saco? Credo! Precisava isso? Se meter a artculista para agradar os chefes? Quanta falta de amor próprio, para dizer o menos.

  35. funcionario interior disse:

    Parabens Diretora Geral.!!
    Vc mostrou que tem cara e coragem de enfrentar as situações, e ressaltou a questão das reformas.. Ambientes propricios ao desenvlveimento das atividades judiciais é essencial, porem necessitamos tbem de melhores condições salariais..

    O Judiciario nunca passou um momento tão bom.!!
    A Comarca onde eu trablaho foi completamente reformada… antigamente as reformas erão pontuais e só chegavam no gabinete do juiz e na sala do secretário.

    Hje nosso prédio estar 100% reformado, com novos ar condicionados, mesas e equipamentos. As benfeitorias chegaram a nós pobre mortais… hoje nossas salas estão com condições dignas de trabalho.

    Sou funcionario publico, a 22 anos e em nenhum momento vi isso acontecer.

    A equipe de engenharia ta de parabens, porem ha outros setores q necessitam olhar para nós pobres mortais…

  36. Dr. Melonio disse:

    Excelente comentário do André!!!

  37. lago disse:

    Alessandra: “Por que não te calas?”

    “…Cadê a URV? O tribunal comeu!
    …A correção da inflação? o tribunal comeu!
    …A equiparação? o tribunal comeu!
    …Só o tal do NÚCLEO sobreviveu!”

  38. Servidor Público disse:

    Ora, me compre um bode!

    Não era essa aí que tava cantando parabéns, feliz da vida, e dando entrevista no aniversário do presidente do TJMA? Kkkkk.
    Soube de lá que estavam correndo atrás de servidores no prédio do TJ para prestigiar o presidente, mas a maioria tava mesmo era se escondendo, e até onde soube só foram os aduladores…

  39. André disse:

    Greve pela Greve???
    Alessandra Darub vc com certeza ja recebeu os 11.98% né? e os retroativos? com certeza ja! vc cita a Biblia? interessante, de fato a Torre de Babel ruiu pq os homens queriam chegar a Deus e estar em posição mais alta que qualquer um na Terra vc sabe quem está no topo da nossa Torre de Babel? claro que sabe pois é aos que estão no topo que vc está defedendo, vc os defende pq quer reconhecimento, pq é bajuladora, pq vc quer estar mais perto do topo, mas nós que somos a base da torre estamos cansados de suportar o peso daqueles que nos olham com descaso, pq para eles servimos apenas como alicerces, o probelam é que sem alicerces a Torre não tem sustentação e sua queda é certa, vc acha que não temos o direito de lutar por algo que o TJ nos deve, ALGO QUE NOS DEVE, não é aumento, são perdas inflacionárias vc entendeu? não é favor! é NOSSO DIREITO! Fizemos todos os esforços para não deflagrar a greve , não queriamos isso, queriamos apenas que reconhecessem nosso direito, fizemos varias assembléias, fomos pacientes e perseverantes e só estamos balaçando a torre para que aqueles que estão no alto nos olhem, nos ouçam, e nos tratem com o respeito e a dignidade que merecemos!

  40. Justus disse:

    A Essa Sra.,devo dizer que, não tem o direito de tocar em coisas sagradas, para vi falar de uma desgraça QUE É A NOSSA JUSTIÇA. Todas as instituições publicas, órgãos e Poderes, dessa podre república falida, estão na UTI (para continuar acreditando que ainda nao morreram). A “doutora”, deveria ter lançado uma nota de “pesar” ou aberto os olhos da alta cupula, para que alguns direitos fossem repassados a todos e nao somente a uns pouco (inclusive ela propria). È amiga, quando esta agachada aos pes da “magestade” é isso mesmo. A noticia boa caros amigos, é que apenas passaremos por essa vida (ou por essa TORRE)…. Para o seu proximo artigo sugiro se “inspirar” nos fabulosos PALACIOS DA ROMA ANTIGA, OU DO EGITO ANTIGO…onde seus reis, viviam na magestic gozar da vida, e seus pobres escravos debaixo da chibata…pq assim continua.

  41. servidora timon disse:

    tentou fazer um “pontão” com o chefe, né? mas ficou tããããooooo feio…
    querida, se vc for realmente competente, concentre-se somente no seu trabalho e o faça da melhor forma possível, tentar desqualificar o movimento grevista dos servidores que lutam por seus direitos não é necessário. até entendo que se por um lado vc está numa situação financeira confortável e não precise grevar por outro há uma certa instabilidade que ao meu ver a levou a produzir tão infeliz texto.
    meu conselho, repito, concentre-se no seu trabalho e, talvez, se você for realmente competente, manterá seu precioso cargo e não precisará passar por esse constrangimento.

  42. tb quero um carguinho disse:

    ah, tá, já tá garantido um cargo pra ti na próxima gestão. Agora só falta o restinho da ‘turma’ fazer um textinho desse: larisa buhatem (será que algum dia vai trabalhar em Imperatriz, local de sua lotação????), aurino luz (será que vai ter um cartório, pelas cotas???), e … cala-te boca…

  43. Luciano disse:

    Quem é essa senhora que ousa falar: “Não é nos atacando mutuamente que melhoraremos o Judiciário”. Todos no Tribunal sabem e comentam que ela se autointitula “Diretora Geral e de Engenharia”. Até onde eu sei “existe” um Diretor de Engenharia”. Essa mesma senhora ataca o Diretor de Engenharia e não esconde de ninguém.
    Sra. Alessandra, não adianta fazer obras de qualquer jeito, alegando que se está beneficiando servidores. Licitar obras sem nem ter terreno!?!? Será que a senhora já ouviu falar em Lei de Licitações, projeto básico, orçamento detalhado!?!? Td mundo sabe que o objetivo maior dessa “avalanche de trabalho” não é melhores condições de trabalho e sim quantidades de placas de inauguração.
    E esses servidores que trabalham inclusive nos finais de semana para acompanhar e entregar as obras também gostariam de poder lutar por seus direitos, participando da greve.
    Só para lembrar-lhe: a Diretoria de Engenharia também é composta por arquitetos, já que a nobre diretora costuma falar por aí que não precisa dessa classe.
    Não preciso dizer quão grande é o descontentamento da “sua” equipe de engenharia e arquitetura, nobre Diretora Geral e de Engenharia.
    E ainda tem coragem de falar: “Não é nos atacando mutuamente que melhoraremos o Judiciário”. Poupe-nos disso tudo!

  44. Tiago disse:

    Tão fácil falar dos outros quando já se conseguiu aquilo que queria. Vaidade quem tem se sabe mto bem quem é !!!!!! A nossa sociedade precisa de pessoas que tenham coragem de dizer as coisas que precisam ser ditas e não de puxa-sacos como essa daí……..

  45. Jota disse:

    Será que não tinha outra pessoa para fazer esse artigo? Lamentável!!!

  46. Desconfiado disse:

    Não acredito que hoje voce nao va fazer nenhuma homenagem aos ADVOGADOS da nossa terrinha…

  47. Lourival disse:

    A empregada era tão puxa saco, mas tão puxa saco
    que chega ao Patrão e diz:

    Patrão!! hoje nasceu meu filho, é a sua CARA…

    Vê se toma jeito menina!

  48. Jane Mota disse:

    RESUMINDO……….
    ELA ESQUEÇE QUE ESSE CARGO QUE HJ ELA OCUPA É PROVISÓRIO. LOGO LOGO SAIRÁS E VOLTARÁ A RECEBER A MESMA MERRECA DOS DEMAIS SERVIDORES QUE HJ ELA MENOSPREZA.

  49. santos disse:

    fiquei com vergonha alheia

  50. Servidora do TJ/MA disse:

    Drª Alessandra, sai da tua zona de conforto e vem lutar conosco … Esse teu cargo de elite tah com os dias contados e vc vai ser uma de nós … Foi ridiculo ver uma profana esconder sua covardia atrás dos escritos sagrados. Me poupe !!!

  51. Servidora do TJ/MA disse:

    Como mulher me sinto envergonhada em lê algo tão ridiculo e mesquinho de uma mulher que parecia ser tão inteligente … Me dá nôjo !!!

  52. Servidor TJ disse:

    É muito fácil falar de união, de busca de objetivos comuns quando se ganha um alto salário, se tem uma sala toda estruturada, recentemente reformada, mordomias, etc. Quero ver minha cara Diretora, é ter q trabalhar no interiozão do Maranhão, sem estrutura nenhuma e inda com salário baixo. Não sou muito fã de Aníbal não, acho que ele se utiliza do cargo com finalidade política, mas é demais achar que todo sindicalizado é como ele. Concordo em gênero, número e grau com o comentário de Márcia Mendes.

  53. Ziza disse:

    Jesus Cristo salve a alma desta pelega! Ela não sabe o que diz e a perdoe pela 12 mil moedas de prata que lhe deram como salário! Que babação, que papel ridículo, que coisa nojenta ARGH!!! Quanta falta de inteligência!

  54. revoltado disse:

    Alessandra Darub vc não precisava disso!

  55. Júnior disse:

    Uma das lutas dos servidores é para que todos sejam tratados de forma igualitária, sem privilégios por parte da presidência do TJ. A autora do artigo faz parte da “panelinha” dos privilegiados, portanto, sem condições de fazer “análises” sobre a Adm. atual do TJ, sem puxar a “sardinha” para o seu lado. O atual presidente do TJ desrespeita os servidores de forma crônica.

  56. FERNANDO REIS disse:

    Pois é, então é isso, o artigo pegou mal, perdeu se no objetivo precípuo,porque não defendeu realmente o posicionamento dos gestores da atual gestão, nem conseguiu atacar efetivamente o movimento grevista dos servidores, só mostrou algo que muita gente competente abomina e realmente não faz pra se manter em cargos.

  57. Roberto Bastos disse:

    perdeu uma boa oportunidade de ficar calada heim “diretora”!!

  58. joão disse:

    Lamentável em todos os sentidos esse texto. Torre de babel é o prédio do Fórum São Luís, onde se tenta colocar todos os Juizados concentrados para facilitar o deslocamento dos Semi-Deuses até o seu local de trabalho enquanto a população, que muita das vezes nem tem o dinheiro da passagem de ônibus, ficará sem assistência. Essa é a verdadeira Torre de Babel. Quanto a greve, a mesma como analista se beneficiará dos ganhos em seu contracheque a custa do suor dos servidores. Seria mais sensato se ela recusasse os aumentos por não concordar com a greve,sera que ela fará isso?

  59. Gilmar Mendes. disse:

    Muito interessante as críticas feitas sobre o artigo da Senhora Alessandra.

    Quando a pessoa, quem quer que seja, expõe as suas idéias com bastante clareza, lucidez e bom senso, é logo taxada de aduladora e outros adjetivos não publicáveis.

    Da minha parte, quero parabenizar a Senhora Alessandra, pelo extraordinário artigo, e, se a mesma ocupa cargo de direção no TJ, é porque tem competência, atributo que não é inerente a todos.

    Vamos construir a “torre de babel”, falando a mesma língua.

  60. Servidor Indignado disse:

    Um belo discurso para quem deve ganhar uns 15.000,00 por mês. Bem polido. Gostei! Só quero informar à senhora que nós não fazemos greve por que gostamos. Fazemos greve PORQUE ESTAMOS PRECISANDO!! Eu, que não ganho tão bem quanto a senhora, estou precisando de cada centavinho desse pelo qual estamos lutando para pagar minha faculdade e colocar comida na mesa de minha família. Quanto aos seus argumentos posso rebater aqui alguns: Há aumento de auxílio alimentação –> é porque vai ter para magistrado também! Concurso em andamento –> concurso feito com vagas destinadas a cadastro de reserva, quando se sabe a quantidade exata de servidores de que cada comarca necessita! Gratificação de Atividade Judiciária –> o aumento real é muito pouco, pois há mais gastos com alimentação e imposto de renda (pouquíssimos servidores aderiram)! Capacitação maciça de servidores –> capacitação sim, para um número restrito de servidores e só para a capital (vide noticias antigas do site da ESMAM) Greve pela greve é melhor, porque vai ao encontro de anseios eleitoreiros –> eu perdi foi a conta de quantas vezes compareci em assembléia geral para discutir as negociações do sindicato com a atual gestão do TJ que nunca davam em nada (vide noticias antigas do site da SINDJUS), as paralisações de advertência de abril e julho, foram praticamente ignoradas! A sociedade, maior beneficiária de todos os projetos do Judiciário, e para quem todos devemos nos curvar –-> o TJ decidiu recentemente em sessão plenária transferir todos os juizados especiais dos bairros para o fórum do calhau. O jurisdicionado, que na maioria das vezes é carente, vai ter que se deslocar do seu bairro para o Calhau, só porque ali é mais cômodo para magistrados e advogados (residências e escritórios).

  61. THIAGO disse:

    Dra. Alessandra, fique calada que é melhor! Dentro da sociedade, pelo que vi dos comentários até aqui, a greve dos servidores é totalmente apoiada e aplaudida. Não defenda o indefensável, o Tribunal está errado e deve reconhecer isso, ou a senhora pensa que o povo não acompanha as mazelas do Judiciário maranhense?

  62. Joaozinho Capeta disse:

    Apesar de ser um artigo que denota um “puxa-saquismo” surreal, gostei da taca no intragável do Anibal (Presidente do SINDJUS), que somente utiliza da massa para benefício próprio (futuros votos).

    URV, administrativamente, só se houver ORÇAMENTO!! Isso é uma coisa tão básica que me dá coceira… reclamam da celeridade de alguns processos??? Vão cobrar do JUIZ que julgue mais rápido e da PGE que não entre com recursos. O que o TJ tem a ver com isso??

    Revisão geral de inflação é concedido pelo EXECUTIVO. O TJ está propondo um REAJUSTE, no mesmo valor da inflação e, ainda sim, reclamam…

    Sou servidor concursado, não tenho comissionado, acho que deveria ganhar mais, mas, também, não sou nenhum demagogo a ponto de defender o Sindicato quando vejo que os fundamentos da greve não tem o menor sentido.

  63. Servidor do TJ disse:

    Parabéns Alessandra!! Até que fim alguém teve coragem de relatar o que está acontecendo.
    A população está sofrendo por conta desse Sindicato que só pensa em greve. Só reclamam!!! Vamos trabalhar mais e fazer valer o salário que nós recebemos. A população clama pelo nosso trabalho.
    Sou Servidor e não estou nada satisfeito com o Sindicato comandado pelo Sr. Aníbal!! A maioria dos meus colegas estão insatisfeitos… e só vivem assim!! É um exagero!! Só falam nisso…passam o dia falando em greve e enquanto isso os processos acumulam.
    Vamos respeitar a população que tanto precisa dos nossos serviços!!
    Não estou dizendo que devemos esquecer de lutar pelos nossos direitos. Mas tudo tem um limite!
    Mais uma vez, parabéns Alessandra.

  64. fernanda disse:

    gostaria muito de saber dessa diretora do tjma alessandra sei la das quantas o que ela acha da ameaça de paralisação dos juizes pela reposição salarial 14,75%.estou ansiosa para ler um artigo belissimo de alto nível da ora “autora” sobre o tema.será muito pertinente para a atual situççao.

  65. servidor TJ disse:

    “A Inveja é sua forma incompetente de se admirar.”

    (Autor desconhecido)

  66. servidor TJ disse:

    “Inveja é sua forma incompetente de se admirar.”

    (Autor desconhecido)

  67. servidor TJ disse:

    Há servidores aqui, Analistas, Tecnicos ou sei lá, que infelizmente estão encomodados com a Diretora Geral atual deste TJ. Ela, por sua vez, exerce o cargo por competencia, e tenho certeza que muitos gostariam de estar em seu lugar.

    Entretanto,muitos preferem gastar seu precioso tempo articulando paralisações, greves, que tão somente contribuem para conflitos entre as partes.

    O dialogo ainda é a melhor solução! Dessa forma, o Sindicato ou melhor Sr. Anibal não consiguirá nada. Parte dos servidores tem ciência q ele utiliza o sindicato como um meio politico, para se promover. Muitos sabem q seu esforço visa meramente a sua auto promoção, visando votos em futuras disputas…

    Esse sim, poderia e deveria dar exemplo, pelo menos frequentar trabalho e realizar suas funções como servidor. Pena que seu comodismo, se camunfla em ações que enganam a categoria..

  68. Servidor TJMA disse:

    Essa Alessandra é uma cínica ao invocar um instituto bíblico para defender o TJMA. E ainda vem com essa palhaçada de dizer que a greve é política. Ela só esqueceu de dizer que para os servidores ganharem a GAJ, tem de trabalhar duas horas a mais, o que na prática, são quatro horas a mais, porque como a GAJ é pouca, não dá nem de pagar a gasolina pra ir em casa e voltar! Ou seja, os servidores terão de ficar das 08:00 às 18:00 hs direto, saindo apenas 15 minutos (na prática) pra almoçar. Mas como ela ganha seus quase 15 mil reais, tem mesmo de defender o TJ. Pimenta nos olhos dos outros….

  69. fernanda disse:

    nossa nunca havia lido nada tão medonho quanto esse artigo,quanta blasfemia…

  70. Corredor disse:

    No interior onde moro, o prefeito mandou reformar a prefeitura e de quebra mandou passou uma mão de tinta na casa dele…pra bom entendedor meia palavra basta. Eita reforma boa naquela Diretoria…com a palavra a construtora e os envolvidos……

  71. Analista disse:

    Convido os grevistas para visitar a sala da Diretora Geral e se deparar com a super placa de inauguração do ambiente, com a data do ANIVERSÁRIO da DIRETORA, mesmo tendo sido inaugurado mais de quinze dias depois.

  72. Mariana Silva disse:

    É mais uma do grupo do Aurino…embolsou 11,98% e agora vem com historia pra boi dormir…faça-me o favor!!

  73. Flor disse:

    Nossa, quanta bajulação!! certamente ela ganhou um tapinha nas costas depois dessa! o chefão tá todo feliz!
    Se ela presencia servidores trabalhando nos finais de semana e levando relatórios para casa, deveria APOIAR a luta por melhores condições de trabalho, melhor remuneração, auxílio alimentação digno em vez do ridículo auxílio-coxinha atual.

  74. Carlos Advogado disse:

    Não é a primeira vez que essa moça coloca as garras de fora….ela sentava na mesa ao lado da então presidente Desa. Madalena, sua nora, e dizia o que tinha que ser assinado ou não. retornou por cima da carne seca, né….

  75. Descobridor disse:

    Essa servidora não foi aquela que passou pra técnica judiciária e virou analista? será que é essa ou não? refresquem minha memória…

  76. Pedro disse:

    A Dra. Alessandra perdeu uma ótima de ficar CALADA. Se não fosse isso, ela passaria ilesa dessa gestão tumultuada e pegaria um outro cargo em comissão, coisa que sabe fazer muito bem.

  77. Leandro disse:

    Eita desespero! A emenda saiu pior que o soneto. Imagina de que lado estará a sociedade nessa peleja? De uma instituição cada dia mais mergulhada em escândalos, ou dos servidores evidentemente prejudicados pelos poderosos? E alguns desembargadores já estão ameaçando cortar ponto de servidor grevista. Querem de novo deturpar a lei para se mostrarem superiores (eu mando, eu posso), correndo o risco de querer inovar na legislação e pagar o maior mico da história senhores?

  78. JB disse:

    Essa Alessandra é mesmo bacharel em direito? Vive em qual planeta? Meu bom Deus, quanta bajulação, chega a ser asqueroso.

  79. Aurélio Buarque disse:

    Ela é pelo monos bonita? Se for, merece perdão…

  80. pedro mario disse:

    TJ, MP e afins. Tudo farinha do mesmo saco!
    Só os membros se dão bem. Servidor orelha-seca sempre é sofredor.
    Engodo total.

  81. pedro mario disse:

    A comparação com a torre de babel foi infeliz, mas desejo discernimento e luz para todos.

  82. Clésio Silva disse:

    Essa servidora autora do artigo vive o outro lado da moeda. De quem exerce um cargo em comissão e goza dos privilégios inerentes ao cargo. Ao contrário do que ela relata, o pres. Jamil, diminiu o adic. insalubridade de 10%, 20% ou 30% para vergonhosos 2%, 3% ou 5%; passou os Oficiais de cargo superior para cargo médio; enquanto paga 600,00 de aux. alimentação para juiz, paga vergonhoso 322, para os servidores; Implantou as 8h de serviço pagando vergonhoso índice de 20% (GAJ); não quer pagar as perdas inflacionárias de 2011 e nem definir a data base; não quer pagar os 11.98%, mesmo alguns servidores próximos a ele já terem recebido, como é o caso da autora do artigo, etc… etc… etc…

  83. Sérgio Cavalcante disse:

    Lutamos por direitos garantidos por lei e por jurisprudência já pacificada nos tribunais, precisamos sim, reconstruir um judiciário, onde estabeleça uma isonomia de direitos, pois a própria Administração do TJ em 2002, concedeu administrativamente a diferença da URV (11,98%) para os magistrados e vem com desculpas que não previu o reajuste salarial em virtude das perdas inflacionárias para o orçamento de 2011. Um Órgão que deve zelar pelos preceitos constitucionais não prevê direitos garantidos pela Carta Magna, como o reajuste das perdas inflacionárias? Assistir a um procedimento e tratamento diferenciado sobre o mesmo objeto, pois um grupo de Assessores da atual administração entrou com pedido de URV (11,98%) tempos depois da ação protocolada pelo Sindjus e em tempo recorde foi julgada, sem nenhum recurso da Procuradoria Geral do Estado e implantado com o pagamento dos retroativos em parcela única. Enquanto nossa ação foi acompanhada rigorosamente em todas as instâncias e recorrida pela PGE. Somente a luta muda a vida! Juntos venceremos!

  84. Fontes disse:

    Com Razão Fernando Reis. Não há quem não veja que a postura da autora é tendenciosa, devido ao cargo de Direção que ocupa atualmente. Realmente lamentável.

  85. Clara disse:

    ~Uma atitude totalmente tendenciosa essa de Alessandra Darub. Ela sabe, tem consciência de que a greve do servidores é totalmente legítima e tem motivos de sobra para seguir em frente. Realmente não se pode esperar muito de quem ocupa um cargo na base do QI (QUEM INDICA). Talvez , eu no lugar dela, ficaria com vontade de defender o meu “INDICADOR”. Masssss, sou servidora e, com muito orgulho, defendo minha classe, porque só quem é servidor, sabe por quais dificuldades nós estamos passando.

  86. Henrique disse:

    O MP bem que poderia fazer pelos seus servidores o que o TJ faz com os dele.
    No MP, a situação é caótica, Alessandra. E os servidores de lá trabalham tanto quanto os do TJ, mas dignidade que é bom, nada! E a remuneração é vergonhosa.

  87. Armando Kapileh disse:

    Lá pelas bandas do Rio Grande do Sul, este artigo desta escriba tem nome: peleguismo. Doutora, aprenda essa: greve não é um direito, é uma ‘autotutela’. Greve, só a faz quem tem força para fazê-la.

  88. Clara Aguiar disse:

    Uma Analista que ganha super bem e ainda tem cargo de confiança falar dos pobres servidores que ganham os seus R$ 2.000 e não tem seus reajustes inflacionários atendidos é uma palhaçada viu!!!!

  89. pedro disse:

    Lamentável a que ponto se chega para manter-se em um cargo transitório de diretora geral! Não dá para acreditar nisso que esse artigo veio de uma servidora concursada que excerce um cargo em de livre nomeação e exoneração. Ninguém quer greve. Isso é estressante. Mas sempre tem os bajuladores de plantão.

  90. Sebastião Antonio Baracho disse:

    O BAJULADOR!

    Honra! Quem és tu… Miserável!
    Vegetas somente no impalpável,
    Premias apenas ao interesseiro.
    Aos honrados sonegas valores,
    Fazendo dotes aos bajuladores:
    Sempre, sempre… Alvissareiros!

    A honra virou mera dobradiça
    Nos portais da raça mestiça,
    Sustentáculo de hipocrisia!
    Faz vênia ao favorecimento,
    Desconhece o merecimento
    E, da injúria… Faz freguesia!

    MAS…

    O Azimute da decadência senil
    No horizonte do físico viril
    Faz a verdade coar… Fluente!
    Na balança fiel do julgamento
    Ao bajulador caberá o tormento
    De ser capacho… Eternamente!

    Sebastião Antônio BARACHO.
    [email protected]

  91. Márcia Mendes disse:

    A Gratificação denominada vulgarmente 14º salário é mais um engodo imposto pelo nosso Egrégio Tribunal com o fim único e exclusivo de aumentar a produtividade dos magistrados. Apenas uma unidade de cada grupo receberá a tal gratificação, enquanto todas trabalharão mais para que todos os magistrados recebam as honrarias pela alta produtividade. Não é JUSTO que todos trabalhem mais e apenas UM DE CADA GRUPO receba a gratificação. Para ser JUSTO, deveria haver pelo menos um escalonamento dos percentuais dessa tal gratificação. Eu entendo perfeitamente as colocações da “autora” do post, pois na posição que ela ocupa eu também defenderia com unhas e dentes a instituição que me emprega e remunera tão bem e ainda me concede privilégios como a celeridade processual em processos de concessão de URV. Privilégios estes que não só foi concedido a ela, mas a todos os Assessores do atual Presidente e que de forma contrária, é absurdamente negado aos demais servidores do Judiciário, esses que a digníssima Diretora Geral, até agora não sabe porque estão em GREVE. O fato do Presidente do Sindicato dos Servidores do Judiciário ter ou deixar de ter pretensões políticas, não desabona sua conduta e não tem nenhuma ligação com a greve deflagrada pela categoria e que foi aprovada em assembléia geral democraticamente e por unanimidade. O auxílio alimentação pago pelo TJ é muito inferior até ao dos motoristas de ônibus. O auxílio saúde de R$150,00 reais não dá para pagar um plano de saúde nem para o servidor, que dirá a seus dependentes. A Gratificação por Atividade Judiciária, é uma piada sem a menor graça, pois se a jornada de trabalho do servidor é de 6 horas, para trabalhar 2 horas a mais teríamos que ter um aumento de 33,33 por cento e não 20% como o TJ impôs quando da votação da regulamentação dessa famigerada gratificação, sob a “brilhante” defesa do Presidente da AMMA, que confundiu horário de atendimento ao público com jornada de trabalho do servidor, na contramão da AMB, que entende exatamente o oposto. A greve foi deflagrada porque as reivindicações dos servidores foram, desde o início do ano, tratadas com descaso e infelizmente alguns ainda se curvam a esse tipo de abuso. Há relatos de explícito assédio moral dentro do TJ, em que juízes devolvem servidores sem mais nem menos, praticando atos de verdadeiro terrorismo e tortura psicológica, alguns inclusive negam férias ao servidores no período regular porque só pensam em sua preciosa produtividade. Por isso senhores, exigimos nossos direitos pois cumprimos nossa parte trabalhando com zelo e responsabilidade pela coisa pública e a nós é devido a justa contraprestação pelo nosso trabalho, pois sem isso, não se pode falar em JUSTIÇA, pois esta prá ser boa tem que começar de casa.

  92. Jose disse:

    A autora não é uma das assessoras que recebeu os 11,98% em tempo recorde na atual gestão? Mande os 30k pra mim que eu faço um texto bem bonitinho e ideológico da atual gestão.

  93. Saja disse:

    Com certeza essa senhora deve ser uma das beneficiadas dos 11,98. Nada mais justo, está fazendo o seu papel.

  94. Servidora TJ disse:

    Dra Alessandra, permita-me usar dos seus métodos e fazer uma alusão a Biblia Sagrada para lhe fazer uma sugestão: Não se venda por 30 moedas de prata…Amém!

  95. Carlos Alberto disse:

    O puxa-saco chega pro chefe e diz:
    - Chefe, o senhor sabe quais são as duas pessoas que eu gosto mais nessa vida?
    O chefe responde:
    - Bom, deve ser a sua mãe e o seu pai!
    - Errou, chefe! A primeira é o senhor, chefe!
    E o chefe indaga:
    - E a segunda, quem é?
    - A segunda o senhor indica, chefe!

  96. Marquês de Maricá disse:

    “Os aduladores são como as plantas parasitas que abraçam o tronco e ramos de uma árvore para melhor a aproveitar e consumir.” (Marquês de Maricá)

  97. Jean de La Fontaine disse:

    Aprendei que todo o adulador, vive à custa de quem o escuta. (Jean de La Fontaine)

  98. Mirelle disse:

    Realmente faz sentido esse artigo, ela tem mesmo que defender a cúpula,conta bancária gorda não é minha filha, diretora, ah faça-me o favor, isso não afeta seu orçamento.Ridículo esse artigo!

  99. Cardeal Giulio Mazzarino disse:

    “Fala sempre com um ar de sinceridade. Faz crer que cada frase saída da tua boca vem diretamente do coração e que tua única preocupação é o bem comum e afirma, além disso, que nada te é mais odioso do que a bajulação.” (cardeal Giulio Mazzarino)

  100. Cardeal Giulio Mazzarino disse:

    “Um bom meio de reconhecer um bajulador: conta-lhe que és autor de alguma ação ignóbil, fingindo orgulhar-te dela como de uma façanha. Se ele te felicita, é um bajulador. Um homem sincero pelo menos se absteria de um comentário.” (cardeal Giulio Mazzarino)

  101. Advogado disse:

    Realmente, não se pode esperar outra postura da Diretora Geral, senão a de defender aquele quem lhe colocou nesse cargo. Gostaria de saber se ela é uma das beneficiárias dos 11,98%. Ainda não vi uma resposta satisfatória do Tribunal quanto à Nota de Resposta do Sindjus aos esclarecimentos do Tribunal de Justiça.Há muita coisa a ser explicada. Não se trata de política os anseios dos funcionarios em ter recuperado o valor do seu salário desgastado com a inflação, isso não é um direito, É UM DEVER do TJ para com os seus servidores. Outro ponto a ser esclarecido é porque os cursos que são oferecidos pelo Tribunais são sempre os mesmos, relacionados à atendimento, RH e congêneres, enquanto que tem muitos analistas e técnicos que trabalham com magistrados estão desatualizados e não tem oportunidade de participar dos cursos de formação aos que os juizes são beneficiados. E porque obrigam os funcionários a preencherem vários relatorios repetidos (com as mesmas informações) para o TJ e CNJ, quando podiam unificar todos esses relatórios evitando o “re-trabalho” o que prejudica no desempenho das Varas? E porque o Tribunal não consultou a população diretamente interessada (dos Bairros) quanto à retirada dos Juizados Especiais para o Fórum??? E porque incita uma “briga” entre funcionários para somente um grupo poder ganhar uma gratificação. Quer dizer que apesar do esforço das outras Varas somente uma vai sair beneficiada? Finalizando: Se o Tribunal puder responder essas perguntas e outras que não calam, atendendo os anseios de seus funcionários nada disso (GREVE) ocorreria. POLITICAGEM é o que fazem para defender OS SEUS (denúncias de assédio e de favorecimento, CNJ, PF, etc.)

  102. DR. MELONIO disse:

    Concordo plenamente contigo FERNANDO REIS,

    Se essa colega perdesse tal cargo comissionado, e voltasse a ser tão-somente analista judiciário, certamente tiraria a venda dos olhos. Ou caso esteja realmente enchergando, duvido que irá negar o recebimento ou devolver aos cofres públicos o KIT BÁSICO (perdas inflacionárias e reajuste dos auxílios)que estamos pleiteando nessa greve. Quando se está ocupando um cargo de direção, é muito fácil falar e encher a bola do patrão!!!

  103. Carlos disse:

    As instituições só se preocupam em apontar o erros dos outros. Nisso a Autora está correta.

  104. FERNANDO REIS disse:

    A autora do artigo está totalmente equivocada, o Sindjus não está fazendo greve pela greve, esta fazendo greve pra que a atual gestão se sensibilize e pague o reajuste inflacionário de 2010 que temos direito constitucionalmente. Servidor não quer fazer greve, quer dignidade, respeito, muitas e muitas vezes promessas foram feitas pela atual gestão em relação a as necessidades urgentes dos servidores do judiciário e não foram cumpridas, acho que essa postura é tendenciosa, de quem ocupa no momento um cargo de direção, lamentável.

Deixe uma resposta

Copyright © Itevaldo Jr - Todos os direitos reservados
Web Design: MP Marketing & Promoção